Câmara libera gasto mínimo obrigatório com educação nos dois anos de pandemia

Carro & Cia
Carro & Cia, o melhor em atendimento e satisfação

Agentes públicos estão isentos de serem responsabilizados administrativa, civil ou criminalmente por não terem investido no ensino público, nos anos de 2020 e 2021.

Fonte: Agência Câmara

A Câmara dos Deputados aprovou a proposta de emenda à Constituição (PEC) que desobriga estados e municípios de terem cumprido o investimento mínimo constitucional com educação em 2020 e 2021. O texto vai para a promulgação.

A lei aprova o descumprimento da aplicação, na manutenção e desenvolvimento do ensino, de o mínimo 25% da receita resultante dos impostos pagos pelos cidadãos.

A votação foi expressiva.

No primeiro turno, 455 deputados votaram favoravelmente ao texto. Na segunda etapa, o texto-base foi aprovado por 451 votos a 14. Para que os dois turnos fossem votados na mesma noite, deputados aprovaram um requerimento de quebra de interstício.

Segundo o texto, que veio do Senado, em decorrência do estado de calamidade pública provocado pela pandemia de Covid-19, os estados, os municípios e os agentes públicos desses entes federados não poderão ser responsabilizados administrativa, civil ou criminalmente pelo descumprimento, exclusivamente nesses dois anos, do mínimo de 25% da receita resultante de impostos na manutenção e desenvolvimento do ensino.

A PEC estabelece que o ente federado que não cumprir o mínimo constitucional nesses dois anos deverá aplicar nessa finalidade, até o exercício financeiro de 2023, o valor necessário para completar os 25%.

O texto impede a aplicação de quaisquer penalidades, sanções ou restrições aos entes para fins cadastrais, de aprovação ou de celebração de convênios. Os municípios poderão ainda receber recursos do orçamento da União por meio de transferências voluntárias.

A proposta veda, ainda, a possibilidade de intervenção estatal por não aplicação do mínimo exigido da receita municipal em educação, situação permitida pela Constituição.

Segundo explica o relator, deputado Tiago Dimas (Pode-TO), 15,2% dos 3.181 municípios que registraram seus dados em pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Municípios não conseguiram aplicar os recursos no patamar do mínimo constitucional em função da redução de despesas gerada pela suspensão das aulas presenciais. “Os gestores públicos municipais enfrentaram diversos problemas por causa da pandemia, inclusive na área de educação, com quebra de receitas e da previsão orçamentária”, afirmou Dimas.

Para o deputado Glauber Braga (Psol-RJ), contrário à PEC, a proposta abre uma exceção que ele considera perigosa. “Se nós bobearmos, a educação sempre será colocada no fim da fila. E isso nós não podemos aceitar. Dá, sim, para investir aquilo que é o mínimo constitucional se houver valorização e garantia de direitos para os profissionais de educação”, disse.

Um comentário

  1. I see You’re in reality a just right webmaster. The website loading velocity
    is incredible. It sort of feels that you are doing any distinctive trick.
    Furthermore, the contents are masterwork. you have performed
    a great activity on this topic! Similar here:
    bezpieczne zakupy and also here: Najtańszy sklep

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *