Estudo brasileiro na Lancet mostra ineficácia da hidroxicloroquina para evitar internações por covid-19 ou reduzir danos causados pela doença

Maior levantamento randomizado sobre o medicamento atestou que não houve diferença significante nos índices de casos graves ou internações ou mortes entre quem utilizou hidroxicloroquina e quem recebeu placebo.

Um estudo brasileiro com a participação de 1,3 mil pacientes publicado no último dia 31 de março na revista britânica The Lancet apontou ineficácia da hidroxicloroquina para evitar internações ou casos graves da Covid-19.

Maior pesquisa randomizada sobre o medicamento, o levantamento foi realizado entre 12 de maio de 2020 e 7 de julho de 2021 e é assinado por 40 pesquisadores e pelo grupo Coalisão Covid-19 Brasil, sob coordenação de Álvaro Avezum, professor da pós-graduação da Universidade de São Paulo (USP).

Um dos autores, o cardiologista Joaquim Raposo aponta a maior amostragem como um dos diferenciais do trabalho.

“Havia outros estudos anteriores, mas sem tanto poder estatístico, que tinham um número menor de pacientes randomizados. A ideia foi mesmo mesmo fazer um estudo que tivesse um poder estatístico de dar uma resposta definitiva”, explica o médico, que dirige o Hospital de Cordeirópolis (SP), uma das 56 instituições participantes, entre hospitais, universidades e centros de pesquisas, incluindo o Hospital Israelita Albert Einstein e o Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

The Lancet mostra quanto de ocorrências com pacientes que tomara cloroquina (HCQ) e placebo; percentual de mortes foi o mesmo
Carro & Cia
Carro & Cia, o melhor em atendimento e satisfação

O critério de inclusão no estudo foi o diagnóstico positivo para Covid-19 com quadro leve ou moderado, diagnosticados até o sétimo dia por teste PCR ou de antígeno, além da presença de ao menos um fator de risco, como hipertensão, diabetes, asma ou obesidade. Metade dos pacientes participantes recebeu a hidroxicloroquina e metade um placebo, que não possui qualquer efeito medicinal.

Faixa etária: entre 36 e 56 anos

Mulheres: 729 pacientes

Homens: 623 pacientes

Quadros de obesidade: 752 pacientes

Quadros de hiptertensão: 732 pacientes

Quadros de diabetes: 222 pacientes

“O número total de eventos adversos foi de 27,6% no grupo hidroxicloroquina e 26,1% no grupo placebo; enquanto as proporções de eventos adversos graves de 30 dias foram de 5,7% e 7,3% no grupo hidroxicloroquina e no grupo placebo, respectivamente”, diz trecho do artigo, na apresentação dos resultados.

Cardiologista Joaquim Raposo, diretor do Hospital de Cordeirópolis (SP), um dos autores da pesquisa

Segundo Raposo, o estudo também não detectou efeitos colaterais de relevância associados à hidroxicloroquina nos quadros estudados.

“O estudo exigiu um eletrocardiograma para detectar alterações que pudessem fazer com que o uso da cloroquina aumentasse o número de arritmias, mas não foi detectado nenhum grande efeito colateral, que são arritmias e retinopatia”, explica.

A pesquisa aponta que todas as mortes ocorreram durante a hospitalização devido à gravidade progressiva do Covid-19 e que não houve arritmias cardíacas graves, morte súbita ou retinopatia em ambos os grupos.

“Não reduziu a incidência de casos graves e não teve significância em piora de asma, em outros quadros que foram avaliados também: asmas grave, dias de febre, presença de falta de ar, pneumonia, otite, ventilação mecânica e morte. Em todos este itens, não houve diferença significante entre hidroxicloroquina e placebo. Morte é o desfecho mais relevante que existe e não houve redução de mortalidade também”, destacou o cardiologista.

Raposo explica que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) acompanhou os trabalhos desde o início e relatórios parciais foram enviados ao órgão.

“Ela recomendou um número até um pouco maior [de pacientes participantes] para aumentar o poder estatístico do estudo. Junto com outros estudos menores, que vem sendo publicados, a partir de janeiro de 2022, o Ministério da Saúde não recomenda mais a hidroxicloroquina no tratamento rotineiro da Covid”, observa o médico.

“Na cardiologia, [a pesquisa] teve um impacto tremendo e a gente espera que quanto mais o tempo passe, mais os médicos tomem ciência do resultado e passem a utilizar essa conclusão do estudo”, completou o cardiologista.

4 comentários

  1. Hi there! Do you know if they make any plugins to assist with Search Engine Optimization? I’m trying
    to get my blog to rank for some targeted keywords
    but I’m not seeing very good gains. If you know of any please
    share. Thank you! You can read similar article here: Najlepszy sklep

  2. Hello just wanted to give you a quick heads up.

    The words in your article seem to be running off the screen in Ie.
    I’m not sure if this is a formatting issue or something to do
    with web browser compatibility but I figured I’d post to let you
    know. The design and style look great though! Hope you get
    the problem solved soon. Cheers I saw similar here:
    Sklep online

  3. Wow, marvelous weblog layout! How lengthy have you been blogging for?

    you made blogging glance easy. The whole glance of your site is wonderful, let
    alone the content material! You can see similar here najlepszy
    sklep

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *