Varíola dos macacos apodrece nariz de homem, antes de diagnóstico ser confirmado

Pesquisadores encontram traços do vírus em pacientes sem sintomas e pedem vacinação para o grupo de risco, predominantemente de homens que fazem sexo com homens

Carro & Cia
Carro & Cia, o melhor em atendimento e satisfação

Um caso inédito no atual surto de varíola dos macacos foi reportado em um homem de 40 anos, na Alemanha. De acordo com a revista médica Infection, parte do nariz do paciente apodreceu em razão do sistema imunológico dele estar abalado por infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) anteriores.

O homem procurou um clínico geral apresentando uma ferida vermelha na ponta do nariz. O médico, entretanto, considerou que era apenas uma queimadura de sol e o mandou voltar para casa. Três dias depois, a pele na região começou a ficar inchada, escura e dolorosa. No mesmo período, apareceram feridas com pus branco no corpo do paciente, que provocaram dores intensas no pênis e na boca dele.

Ao realizar um teste PCR, o alemão recebeu o diagnóstico de varíola dos macacos e buscou um hospital para receber medicações antivirais. Lá, foi submetido a outros exames e descobriu que tinha sífilis e era portador do vírus HIV. De acordo com o relato do paciente, ele nunca havia realizado testes para ISTs antes.

ANGRA DOS REIS EM GRANDE ESTILO. VOCÊ MERECE.

Os médicos responsáveis pelo diagnóstico afirmaram que o vírus da varíola dos macacos provocou a necrose no nariz do paciente devido ao HIV não tratado. O processo de necrose ocorre quando tecidos do corpo começam a morrer devido à falta de circulação de sangue e oxigênio.

os profissionais de saúde informaram que os glóbulos brancos do homem estavam em quantidade tão baixa quanto a de pessoas com AIDS.

DUETTO IDEAL – A MODA FEITA PARA VOCÊ

A equipe que atendeu o paciente destaca que casos assim podem se tornar mais frequentes na medida em que o vírus se espalha pelo mundo.

No surto atual da varíola dos macacos, a principal forma de transmissão do vírus monkeypox tem sido pelo contato com as feridas de pessoas infectadas. Até o momento, a maioria dos pacientes desenvolve sintomas como cansaço, fadiga e febre, mas o sinal principal são as lesões semelhantes a pústulas com pus. Porém, pesquisadores descobriram que alguns indivíduos podem ter o vírus e continuar assintomáticos.

Feridas começam discretamente e se espalham causando desconfortos e dores

Como parte de um serviço de vigilância em pacientes que tomam medicamentos contra o HIV ou o PrEP (preventivo), os médicos do hospital Bichat-Claude Bernard, em Paris, na França, recolheram amostras do ânus de 200 pacientes homens usando um swab. O exame mostrou que 6,5% dos participantes (13 pessoas) testaram positivo para a varíola dos macacos.

Os responsáveis pelo levantamento escreveram, em artigo publicado na revista científica Annals of Internal Medicine, que, apesar de não se saber o risco de transmissão, os resultados confirmam a necessidade de vacinar o grupo considerado de risco para evitar que mais pessoas sejam infectadas.

Para a maioria das pessoas, o risco de contrair varíola permanece baixo. Quase todos os casos no surto atual – 98% – ocorreram em homens adultos que fazem sexo com homens. Então, como o vírus está se espalhando? Estudos de surtos anteriores sugerem que o vírus da varíola dos macacos é transmitido de três maneiras principais: através do contato direto com a erupção cutânea de uma pessoa infectada, tocando objetos e tecidos contaminados ou por gotículas respiratórias produzidas quando uma pessoa infectada tosse ou espirra. Há também evidências de que uma mulher grávida pode espalhar o vírus para o feto através da placenta.

SAÚDE INTEGRAL E HUMANIZADA

Um comentário

  1. You’re in reality a just right webmaster. This site loading speed is incredible.
    It seems that you’re doing any unique trick. Moreover, the contents are
    masterwork. you’ve performed a fantastic activity in this topic!
    Similar here: najtańszy sklep and also here:
    Bezpieczne zakupy

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *