Israel afirma ter matado dois comandantes do Hezbollah no Líbano

Segundo a nota da FDI no Telegram, o ataque aconteceu a cerca de 7 quilômetros ao norte da fronteira entre os dois países.

As Forças de Defesa de Israel (FDI) afirmaram nesta terça-feira (16) que mataram dois comandantes do grupo xiita Hezbollah, do Líbano, em ataques aéreo em território libanês.

Segundo a FDI, eles atacaram e mataram o comandante é Yusaf Baz, que chefiava o Hezbollah na região costeira do Líban e Muhammad Hussein Mustafa Shechory, comandante de foguetes e mísseis das Forças Radwan, um grupo de elite do Hezbollah.

O primeiro ataque, em que morreu Yusaf Baz, aconteceu a cerca de 7 quilômetros ao norte da fronteira entre os dois países. Os israelenses afirmaram que Baz tinha planos para disparar foguetes e mísseis antitanque contra Israel.

O segundo ataque ocorreu mais ao norte. Além do comandante Shechory, também morreu um outro homem do Hezbollah, conforme a nota dos israelenses.

O Hezbollah ainda não fez nenhum pronunciamento a respeito desse ataque israelense.

O Hezbollah, que atua no Líbano, apoia o Hamas com ataques contra Israel na Faixa de Gaza. O conflito teve uma escalada recente após o Irã promover uma ofensiva ao território israelense.

Em 7 de outubro de 2023, Israel declarou guerra contra o Hamas, após uma ação surpresa. Na ocasião, membros do grupo extremista invadiram o território israelense em uma operação que resultou em 1,2 mil mortes — entre as vítimas, três brasileiros — e mais de 200 foram levados reféns.

A guerra entre Israel e o Hamas dura seis meses e segue sem prazo para chegar ao fim.

O gabinete de guerra de Israel se encontrou nesta terça-feira. O grupo está discutindo como será a resposta ao ataque do Irã no sábado, quando foram lançados mais de 300 projéteis contra o território israelense –99% foram derrubados antes mesmo de chegar a Israel.

Teerã agiu no sábado em resposta a um ataque que os iranianos atribuem a Israel, no dia 1º de abril: caças destruíram o consulado do Irã em Damasco, na Síria, e mataram um comandante sênior da Guarda Revolucionária iraniana.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *