Victório Dell Pyrro

EM NOME DE DEUS

Martinho Lutero liderou o protestantismo contra a corrupção na igreja católica


Se o famoso religioso Martinho Lutero, que se revoltou contra a corrupção e desmandos da Igreja Católica, pudesse prever que estaria abrindo portas para as mais variadas corrupções e atos criminosos em nome de Deus, certamente não teria feito a famosa revolução protestante que tinha por finalidade trazer o verdadeiro Evangelho pregado por Jesus: Amor, Perdão e Retidão de princípios morais.
Ser pastor brasileiro é mais fácil do que ser motorista, não precisa de nada a não ser um local para pregar, cada um interpretando a seu próprio modo as Escrituras Sagrada, muitas das vezes conflitantes com os do Evangelho.
Se o pastor for bem falante é melhor ainda, atrai mais gente e isto significa mais dízimos, mais dinheiro e mais ganância pelo poder. Foi assim que a doutrina de Lutero foi deturpada renascendo a outra Igreja Católica, piorada porque seus religiosos, pregadores em sua grande maioria, não têm preparo espiritual e nunca fizeram um estudo sério da palavra.
Uma vez mais, os falsos profetas gananciosos usam o nome de Deus para conseguirem o Poder Temporal do dinheiro.
Com o crescimento das Igrejas Evangélicas e com a perda dos currais coronelistas de votos, os políticos começaram a buscar o apoio destas entidades religiosas, oferecendo apoios, os mais diversos, empregos e dinheiro.
Logo os donos das Igrejas viram que poderiam se organizar para eles mesmos sentarem nas cadeiras que profetizavam para os políticos brasileiros.
Foi assim que nasceram os primeiros mensalões ” Em nome de Deus”, que tem levado inúmeros pastores a assumirem espaços políticos em todo território nacional com estrutura até de redes de TV próprias.
Bem verdade que existem trigos no meio deste imenso lamaçal de joio.
O minimo que as entidades sérias evangélicas, que ainda existem, podem fazer é se posicionarem publicamente contra as atitudes do Ministro do MEC e pedir ao Presidente a exoneração de um Ministro de Educação que não os representa, apesar dele ter sido escolhido pelo próprio Bolsonaro, atendendo pedido da esposa, para dar maior prestigio aos líderes evangélicos que o apoiaram na eleição de 2018 à presidência da República. Tudo afinal é feito em “Nome de Deus”.
O esquema de corrupção do MEC é similar ao do governo Luiz Inácio Lula da Silva chamado de Mensalão, aquele que abriu as porteiras da corrupção generalizada do colarinho branco quando ele não mandou ninguem investigar nada sobre a denuncia de Roberto Jefferson, que afirmava saber que o governo pagava mensalmente e regiamente os deputados que votassem a favor dos projetos de interesse do governo Lula. A famosa frase do então Presidente: “ Nao vi, nada sei “ deixou claro ao Congresso Nacional que ladrões não seriam condenados em seu governo, que a liberação era geral e irrestrita no Brasil.
A corrupção no MEC hoje ocupa todas as redes sociais e mídias televisivas do país, os mercadores de Deus neste governo conseguiram enlamear também a imagem dos evangélicos brasileiros.
Queremos lembrar que várias passagens do Evangelho falam sobre os falsos profetas e que nas Escrituras, em Exôdo 27, está escrito:”Não tomarás o Nome do Senhor teu Deus em vão, porque o Senhor não terá por inocente aquele que Tomar seu Santo Nome em vão”.

3 comentários

  1. Não podemos incluir todos os evangélicos neste balaio de corrupção Bolsominion…
    Mas os líderes de parte da Igreja Evangélica envolvidos não conseguirão apagar as provas de tanta intimidade e trânsito nas dinâmicas (ou facções) palacianas….aqui vai uma pequena amostra: https://youtu.be/CQUpPuAL6I4

    1. Esse não é um fato isolado. Há muito, líderes religiosos estão envolvidos com os métodos de corrupção desses dois pastores flagrados agora. É lamentável.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *