STF derruba veto atrasado de Bolsonaro sobre isenção de imposto de combustíveis na Zona Franca

ANGRA DOS REIS EM GRANDE ESTILO. VOCÊ MERECE.

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, em julgamento no plenário virtual, derrubar por 7 votos a 4, o o veto do presidente Jair Bolsonaro que mantinha a isenção do Imposto de Importação e do Imposto sobre Produtos Industrializados na importação de petróleo e derivados por empresas da Zona Franca de Manaus.

A ação foi movida contra uma lei sancionada pelo presidente em julho do ano passado. Na ocasião, Bolsonaro sancionou a versão aprovada pelo Congresso acabando com a isenção fiscal.

Mas depois, o presidente republicou o texto com o veto, diante da pressão da bancada de congressistas do Amazonas. O partido entrou com uma ação contra esse veto, alegando que o Bolsonaro desrespeitou prazos e procedimentos estabelecidos na Constituição Federal.

Os quatro ministros que votaram para permitir o veto foram a relatora, ministra Cármen Lúcia, Dias Toffoli, André Mendonça e Nunes Marques. Já Luís Roberto Barroso, Gilmar Mendes, Edson Fachin, Ricardo Lewandowski, Rosa Weber, Luiz Fux e Alexandre de Moraes votaram pela derrubada do veto no pedido impetrado pelo partido Solidariedade.

DUETTO IDEAL – A MODA FEITA PARA VOCÊ

Para o ministro do STF, Roberto Barroso, autor do voto vencedor, o veto de Bolsonaro foi publicado depois do prazo constitucional de 15 dias contados do envio do texto pelo Legislativo.

“Trata-se de procedimento heterodoxo e que não se coaduna com a Constituição”, escreveu o ministro. “Ultrapassado o prazo de 15 (quinze) dias do art. 66, § 1º, da Constituição, o texto do projeto de lei é, necessariamente, sancionado (art. 66, § 3º), e o poder de veto não pode mais ser exercido”, acrescentou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *