Em cada garfada, governos comem quase 20% por você, com impostos sobre alimentos básicos

Carro & Cia
Carro & Cia, o melhor em atendimento e satisfação

Na capital do Brasil por exemplo, o macarrão, óleo, carnes e outros produtos da cesta básica que deveriam ir para a mesa das famílias, são taxados com impostos federais e estaduais como o ICMS que ajudam a impedir muitos lares a terem arroz com feijão na mesa todos os dias.

Desde o ano passado a cesta básica do DF, que tem alíquota de 7% de ICMS e passou a ser composta por arroz, macarrão espaguete comum, óleo de soja, farinha de mandioca e de trigo, leite, carnes, café, açúcar, manteiga, sardinha e atum em lata e peixe além de sabões, água sanitária, papel higiênico e absorvente feminino fica mais salgada qua do somada aos tributos federais.

DUETTO IDEAL – A MODA FEITA PARA VOCÊ

“Quando o consumidor adquire esses produtos no mercado, a nota fiscal traz um resumo do valor pago em relação aos tributos (estaduais e federais) que são contados sobre a carne (29%), leite (18,65%), feijão (17,24%), arroz (17,24%), farinha de trigo (17,24%), batata (11,22%), tomate (16,84%), pão (16,86%), café (16,52%), frutas (11,78%), açúcar (30,60%), óleo (22,79%) e margarina (35,98%). Podemos afirmar, então, que um prato de arroz, feijão, batata frita e bife está temperado com 18,67% de impostos em média. Ou seja, quase 20% da renda das pessoas mais pobres é destinada ao pagamento de impostos, considerando apenas os valores destinados à alimentação. A carga tributária sobre a cesta básica no Brasil é extremamente elevada se comparada aos países mais desenvolvidos, a exemplo dos Estados Unidos (8%) e Japão (6%)”, dizem os advogados Marco Antonio Vasquez Rodriguez e Jonathas Lisse do site Monitor Mercantil.

Segundo os consultores, embora a diminuição do preço dos combustíveis com o novo teto do ICMS possa trazer uma redução dos preços da cesta básica, contendo parte da inflação no setor, o grande vilão que ameaça a segurança alimentar de milhões de brasileiros ainda são os impostos diretos que incidem sobre os alimentos. Enquanto 33 milhões de brasileiros passam o dia sem ter o que comer, pouco se faz num país que é considerado o celeiro do mundo, para se reduzir ou mesmo isentar de impostos os produtos que devem chegar à mesa dos brasileiros. E, embora os programas de transferência de renda sejam fundamentais para conter a escalada da fome, não são suficientes para fazer retroceder esse triste número, que quase dobrou em dois anos.

ANGRA DOS REIS EM GRANDE ESTILO. VOCÊ MERECE.

Um comentário

  1. You’re really a excellent webmaster. This web site loading pace is amazing.
    It kind of feels that you are doing any unique trick.
    Also, the contents are masterpiece. you’ve performed a excellent job in this topic!
    Similar here: sklep internetowy and also here: Sklep online

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *